sexta-feira, 25 de abril de 2014

# um mestre


Os EUA costumam diferenciar teacher, professor e coach.

Fernando Cruz Sanches conseguiu reunir as três categorias em uma só: um mestre.

Ele foi o maior treinador durante os anos dourados do meu basquetebol (v. aqui); e, justamente na fase aguda da juventude, foi também um professor, professor lato sensu.

Dos meus treze aos dezoito anos mantivemos um convívio quase diário, em treinamentos, jogos, excursões e eventos sociais; depois, os encontros eram mais esporádicos, pela distância do esporte e pelos caminhos da vida, mas sempre que ocorriam eram festivos e alegres

Foram tantos ensinamentos, tantas aulas, tantas orientações, tantos conselhos, tantos gritos, tantos abraços com ele por aqueles anos todos.

Fernandão era emoção e lealdade puras.

Foram tantos campeonatos, tantos títulos, tantos prêmios, tantas convocações, tantas viagens com ele pelo Colégio Santa Maria, Clube Santa Mônica, Seleções de Curitiba e Seleções Paranaense.

Fernandão era um craque na beira da quadra.

Fernandão se foi.

Do meu baú, uma foto ao seu lado, quando fui convidado para um torneio promovido pela Federação Paranaense e pela Associação Paranaense Master de Basquete como homenagem a ele, um dos símbolos da história deste nosso desporto – "Torneio Fernando Sanches", em 2003 (v. aqui).

E destas coincidências da vida, foi meu time o campeão, e então pude receber troféu e medalha de suas mãos, pela última vez, tendo ela até hoje guardada com apreço.

Aqui fica a homenagem do seu atleta, aluno, aprendiz e amigo.