quarta-feira, 25 de maio de 2016

# atleticanas (I)



Arrisco no exagero temporal, mas mesmo assim não hesitarei: o Cleberson é, tal qual uma Carlsberg, provavelmente o pior zagueiro da história do Atlético.

Sempre atrasado nos lances, sempre no lugar errado na hora certa, sempre posicionado onde nunca deveria estar, nunca posicionado onde sempre deveria estar, é um descuido da física e um arremedo do raciocínio lógico.

Salta como um sussurro, corre como curupira, marca como um pinguim, balança e cai como um pacote flácido, é simplesmente um terror que se movimenta na contramão atrapalhando toda a nossa máquina de jogar futebol.

Fura, flamba, falseia, floreia, faz fumaça em qualquer mano a mano; bola na mão, mão na bola, queixo e bunda no chão, é um joão clássico para qualquer mané mirim que lhe enfrente.

Algo inadmissível para um defensor, sorri o tempo todo, num sorriso de Monalisa indecifrável como o esporte de bom moço que tenta praticar em campo.

Ele, com o sono estampado no rosto e seu jeito de boneco de posto de gasolina nos braços, tem um futebol lento, lerdo, dopado com sangue batizado que não oferece combustão alguma.

Sem vigor, sem jaça e sem força, vai de mal a pior num curto espaço de tempo – assim, cobrar-lhe qualquer noção de tempo e espaço seria até indelicado.

Ora, como é incrível e quase comovente as suas dificuldades básicas com a bola, psicológicas com os atacantes e matemáticas com tudo que acontece dentro das quatro linhas e no universo do retângulo da grande área.

Ao seu lado, Franz Beckenbauer jogo a jogo sentaria e choraria, às margens do rio Água Verde que por debaixo da Baixada passa; na sua retaguarda, Lev Yashin se transformaria num reles aracnídeo pálido, vesgo, maneta e cansado de ver a meta arrombada.

E assim vive o nosso imberbe beque: cansado, alienado, como se navegasse num mundo paralelo, lisérgico, catando conchinhas no lado de lá das nuvens enquanto a caravana adversária passa – e, dele, nem um pio se ouve.

Que mistério, afinal, ronda o clube que não se desfaz, por qualquer conto de réis, deste personagem, desejando-lhe toda a sorte do mundo e mandando-o para longe, de preferência a vinte mil léguas submarinas do CT do Caju?

Cleberson, meus caros, é uma injeção indesejada de pavor na veia que nos levará a viajar pelas trevas.